quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Diz-me em que Antologia estás e dir-te-ei quem és


Estou um pouco ausente do blog devido aos livros digitais de Blocos Online: A Noite Grega, de Eloah Margoni (já com 627 acessos) e o Panorama da Prosa Contemporânea Brasileira, ambos on line, com excelente repercussão. Sobre a Antologia de Prosa, o professor de Literatura, crítico e grande escritor Rogel Samuel, disse ser o "mais belo livro online" visto por ele. Ainda falta disponibilizar, porém, minha "menina-dos-olhos" a Saciedade dos Poetas Vivos (vol. 8). Eu adoro este projeto. Eu adoro poesia.

Quem vê um livro digital não sabe como são complexos e intrincados os "bastidores" dele. A pré-produção de cada antologia de Blocos é digna de um roteiro cinematográfico (um longa...), uma novela (haja fôlego), ou de um trabalho de garimpo. Porque até nisso somos diferentes: não queremos quantidade, mas qualidade, ou melhor, autores com propostas instigantes, reflexivas, que se destacam do imenso marasmo que soterra a poesia contemporânea. Nossas antologias digitais são um modo de ajudar Blocos a manter-se, mas não é por isso que “quem paga, entra”... A seleção é criteriosa e demoramos meses na escolha de cada um dos participantes, ao todo dezessete apenas, e dos nossos convidados especiais, que solidariamente respaldam nosso trabalho de resistência cultural. O resultado é sempre muito gratificante, porém até chegarmos lá a estrada é longa. Não poderia ser de outra forma, ou nosso “amor à literatura” seria demagogia, falsidade, farisaísmo. Cuidar de todos os detalhes, com extremo carinho, requer tempo, muita dedicação e até disponibilidade afetiva para lidar com cada um dos autores em seu próprio universo. Exercício de manufatura, sensibilidade, tato, território de delicadezas.

Em se tratando de poesia, muitas vezes poucos versos nos falam mais do seu autor – mesmo que seja uma obra de ficção – do que os muitos e-mails trocados, porque os poemas trazem o lado oculto de seu criador, irrevelado às vezes até para ele próprio, mas que transparece ao leitor atento e amoroso. Organizar uma antologia é um treino também de vida, precioso, para quem a coordena, uma demonstração de respeito a quem participa do livro, quase uma espécie de homenagem; é também um aprendizado de introspecção, uma responsabilidade grande, mas também uma enorme alegria quando vemos a obra concluída, e quando sentimos o orgulho dos autores o mesmo nosso em estarem incluídos nela. E quando alguém se incomoda com a falta de comentários por parte de outros poetas dos quais esperava alguma manifestação, sempre digo que não há motivo para alarme: aprendi em Poética que, assim como o vazio não é oco (tem eco), o silêncio não é a ausência de fala, e que é preciso aprendermos a escutá-lo, para entendermos o que ele sutilmente nos revela...

11 comentários:

Márcia Sanchez Luz disse...

Leila querida, adorei o título e começarei respondendo: Estou em "Entre Quatro Paredes", o que encerra um paradoxo, pois foi a partir daí que os muros caíram e as portas se abriram para mim.
Você é um ser dotado de inúmeras qualidades, entre as quais destaco o carinho imenso com que trata cada texto que recebe, além desta disponibilidade afetiva que não é comum nos dias de hoje.

Peço a Deus que te conserve assim, sempre.

Um beijo nesse coração gigante,

Márcia

Leila Míccolis disse...

Márcia querida, é muito bom fazer uma obra com quem, além de ótima poeta, é também excelente pessoa: solidária, amiga, sempre dedicada e prestimosa. Fico muito feliz pelo seu comentário, e por você estar a bordo, navegando pelo volume 4 da Saciedade. Beijos, muitos, Leila

líria porto disse...

prezada poeta
espero com alegria a vinda da antologia - tenho certeza de que estarei muito bem acompanhada!
grande abraço
líria porto

Leila Míccolis disse...

Líria querida, obrigada pelo comentário, mas acho que você estaria bem acompanhada até mesmo estando sozinha, porque VOCÊ é o próprio brilho. Beijos, Leila

GRAÇA GRAÚNA disse...

Querida Leila: escolhi o dia de hoje - dia da mulher - pra reiterar minha grande admiração por tudo que você faz. Parabens pelos projetos, pela poesia, pela vida. Obrigada por você existir. Paz em Nhande Rú, Graunina

líria porto disse...

o silêncio é poliglota
comunica-se e faz-se entender
em todas as línguas

líria porto


(no aguardo do link da antologia pra que possa espalhá-la ao mundo... risos)

besos

Leila Míccolis disse...

Líria, a Saciedade nº 8 já está on line, com grande sucesso e excelente receptividade, mais de 200 pessoas acessaram-na apenas nos três primeiros dias... Um beijo e obrigada pela participação e solidariedade, Leila

Leila Míccolis disse...

Grauninha querida, respondo um pouco atrasada sua mensagem do dia 8, mas um pouco adiantada ao dia 21, Dia Internacional do Poeta. Obrigada por todos estes anos de literatura e amizade, convívio que só me acrescenta, mulher-ave exuberante.
Muitos beijos, Leila

Marba Furtado disse...

Leila, às vezes a gente só chove no molhado, mas nunca é demais dizer o quanto o trabalho de algumas pessoas é bom e relevante. Acompanho vcs de longa data. O Bloco é cada vez mais sólido e amplo. Parabéns.

Eurico disse...

Leila, te achei pelo blogue do Samuca Santos. Afinal! Acompanho o Blocos desde os tempos da revista impressa. Demorei a vir pra net. Mas agora estou por aqui. REceba o meu abraço fraterno.

Leila Míccolis disse...

Marba e Eurico, obrigada pela aproximação, pelo carinho e pela "torcida a favor", sempre muito importante para mim. Abração, Leila