quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

POESIA COMENTADA




BRINDE

ano novo: vida
nova
dívidas novas
dúvidas novas


ab ovo outra
vez: do revés
ao talvez (ou
ao tanto faz como fez)


hora zero: soma
do velho?
idade do novo?
o nada: um ovo


salve(-se) o ano novo!


José Paulo Paes
(SP, 22/7/1926 - 8/10/1998)



=-=-=-=-=-==-=-=-=-=



Paulo Paes é um dos meus poetas preferidos, por isto resolvi acabar o ano de 2009 e começar o de 2010 com este poema, do livro “Poesia Reunida” (Brasiliense, 1986, SP), porque, além dele nos proporcionar um brinde literalmente efervescente e borbulhante, ainda nos oferta, de brinde, o que o poeta tem de melhor: sua ironia finíssima, sua crítica ferrenha aos hábitos e aos costumes enferrujados e empedernidos, seu senso de observação incomuníssimo... Ele é tão hábil e lúdico, que consegue colocar uma expressão latina ou sugerir referenciais eruditos, como o ovo primordial, de modo a que o leitor não precise quebrar a cabeça para entender a brincadeira do jogo de sons e sentidos, que se multiplicam a cada palavra, para  por fim nos surpreender com uma frase simples, desdobrável em diversos significados: salve o ano novo, salve-se o ano novo, salve-se do ano novo, ou:  o ano novo... salve!  


domingo, 20 de dezembro de 2009

POESIA COMENTADA









Natal se aproxima e escolhi para a ocasião dois poemas de Leninha, que tem se dedicado, principalmente, a poemas visuais. Gosto muito deste tipo de poesia, porque é quando a imagem - e não a palavra - nos permite associações mais livres e, de repente, surpresas diante de nossas próprias interpretações. 




 

Não vou comentar os poemas visuais em si, não cairei nesta armadilha, mas não consigo deixar de ressaltar os dois tipos de felicidade tão contrastantes nas  duas árvores: a humana, restrita à ironia do "basicamente", do mínimo indispensável para a sobrevivência. Parca. E a segunda, em harmonia com seu meio ambiente,  generosa, exuberante e plena. Farta.



terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Leila no Twitter e... Habitue seu cão a ouvir poesia




Aderi ao Twitter. Quem quiser saber as minhas novidades, mais rapidamente clique no passarinho-logo, ao lado. Blocos também está no lá: http://twitter.com/blocosonline
Não sou das mais fanáticas, inclusive relutei bastante, porque as pessoas transformaram o Twitter em um diário: meu saiu e ainda não voltou... Ou: eu estou usando uma camisa azul hoje... Ou: hoje não vi televisão.. Não gosto nem um pouco desses exercícios de egocêntricos, como se o mundo girasse apenas em torno de uma pessoa e de seus sentimentos (superficiais, devido ao tamanho do comentário). Parece diário de preguiçoso. Compreendi porém, que, para informações rápidas, notícias coletivas, o Twitter funciona bem.

E uma das notícias que eu divulguei no Twitter é que acaba de sair o livro organizado por Ulisses Tavares, "Poemas que latem ao coração", com diversos autores, inclusive eu. O livro foi lançado dia 28/11 e o release dizia: "peça ao seu cachorro para levar você". E eu complemento agora: adquira pela Editora Nova Alexandria e habitue seu cãozinho a ouvir poesia. Tenho certeza de que ele vai agradecer por você passar mais tempo com ele, fazendo-lhe este carinho. São versos e fotos de vários tipos de cachorros, para todos os gostos. Meu poema é dedicado ao nosso cão mais antigo da casa: o Leandro, vulgo Ouou. Espero que gostem e que comentem comigo.